logo_GR_Celebrities
logo_GR_Exchange
Youtube
Buscar
  • Mateus Davi Pinto Lucio

Efeito Dunning-Kruger

Atualizado: 26 de Ago de 2018


“Efeito Dunning-Kruger?” Sim, isso existe. Sim, acontece. Sim, com você também. Sim, o

tempo todo.


Os psicólogos sociais David Dunning e Justin Kruger produziram esse estudo publicado em 1999 que rendeu a eles o Prêmio Nobel em 2000 que fala, em poucas palavras, que: “o engano do incompetente decorre de um erro sobre o eu, enquanto o engano do altamente

competente decorre de um erro sobre os outros”.


Um volume importante de pesquisas foram produzidas para determinar a causa do erro de avaliação da aptidão das pessoas para quaisquer tarefas e, se os resultados são

preocupantes, as conclusões podem ser aterradoras.


Tudo começou quando David Dunning, ao ler o jornal, ficou estupefato com a notícia que um homem assaltou a luz do dia dois bancos, sem usar máscaras, o que resultou em sua prisão poucas horas depois, em sua casa. Ao ser questionado pelo delegado a razão do meliante acreditar que não seria pego, qual não foi a surpresa ao ouvir que a resposta foi de que ele tinha visto na internet que se jogasse limão no rosto as câmeras não poderiam identificá-lo. Para piorar, o homem disse que testou, jogando limão no próprio rosto e depois tentando tirar uma foto de si mesmo e que, ao ver a sua imagem na câmera, realmente estava distorcida. Sim, estava! Porque ele tinha limão nos olhos, e não conseguia distinguir seu

rosto na foto que tirou de si.


Embora este seja um caso extremo, não é raro vermos nos noticiários ou redes sociais as pessoas mesmo sóbrias assumindo comportamentos obviamente equivocados que levam muitas vezes ao dano contra si mesmos. Mas por quê? Simplesmente “burrice”?


Dunning e Kruger conseguiram demonstrar que, na realidade, a incompetência nas ações das pessoas decorre da incompetência que a mesma tem de avaliar sua competência,

gerando uma superioridade ilusória. Explico.


Em um dos mais de 100 estudos realizados, pediram que engenheiros de programação de duas empresas se auto-avaliassem em termos de performance. 32% dos engenheiros de uma e 42% dos engenheiros de outra se colocaram entre os 5% melhores da empresa que trabalhavam. Oras, se em uma empresa com 100 pessoas, 42 se consideram entre os 5

melhores, seguramente, no mínimo, 37 não sabem se avaliar.


Não obstante, 88% dos motoristas americanos avaliaram que suas habilidades eram acima da média dos motoristas. Se 9 em cada 10 motoristas está acima da média, como se determina a média com um único motorista, a cada 10, que restou? Outra matemática impossível.


Não é um caso isolado e nem ocorre em culturas específicas. Os exemplos são vastos e se estendem a todas as áreas do conhecimento. Note que o fato é que quanto menos competência temos em determinado assunto mais tendemos a superestimar nosso conhecimento, que na verdade é diminuto, sobre ele. Via de regra, nós não reconhecemos

nossas lacunas de incompetência.


Pergunte a si mesmo: “de 0 a 10, sendo o 0 péssimo e sendo o 10 impecável, qual nota você dá a si mesmo como motorista?”. Independente da nota que você dê, ainda que baixa, o que é raro, você fatalmente cometeu um erro de avaliação. Mas por quê? Porque, provavelmente, você não tem os meios, as métricas e tampouco os métodos de avaliar a si ou a qualquer outra pessoa como motorista. Afinal, o que é um bom motorista? O que respeita as leis de trânsito? O que nunca tomou multas? O que nunca bateu? O que dirige carro de qualquer tamanho? O que dá a passagem quando alguém se aproxima ou o que não dá a passagem caso esteja no limite de velocidade da estrada? Tudo isso? Parte disso?

E qual o peso de cada atributo?


Perceba, somos incompetentes, no sentido de não termos adquirido a proficiência, para avaliarmos quão bem uma pessoa dirige, e mesmo assim o fazemos, e nos auto-avaliamos,

e geralmente nos superestimamos. Efeito Dunning-Kruger.


Outra situação relativamente cotidiana. Seguramente algumas vezes ao longo da sua vida você já falou ou ouviu alguém dizer que “minha dentista é muito boa”, correto? Oras, a não ser que a própria pessoa seja um odontólogo, com base em que ela conseguiu avaliar a capacidade profissional do dentista que a atende? Acaso três ou quatro consultas no ano, considerando as dezenas que um dentista faz por semana, tem valor pelo menos estatístico? E se as intervenções dentárias realizadas foram tão simples que até mesmo um mau dentista atenderia satisfatoriamente? E como sopesamos a complexidade das intervenções dentárias? Via de regra, não temos condições de avaliar a qualidade de nossos dentistas, e mesmo assim o fazemos, baseados meramente em nossas parcas experiências com eles, com uma opinião ainda por cima contaminada pela empatia evocada e pela estética do consultório, e ainda assim emitimos juízo de valor quanto aquele

profissional. Efeito Dunning-Kruger.


O conhecimento sobre o Efeito Dunning-Kruger é um convite ao calçar das sandálias da humildade. A aceitação que não podemos saber muito de tudo então devemos buscar conhecer mais para opinar melhor. Um interlocutor ignorante sobre um tema, mas que insiste em discutir sobre ele, sob o Efeito Dunning-Kruger, se assemelha a um míope tentando discutir sobre a forma de algum objeto, ou com um daltônico tentando discutir sobre as cores das coisas. Não é falta de inteligência, mas falta de competência, falta de aptidão.


Ao discutir, precisamos cuidar para não superestimar nosso conhecimento sobre o tema empoderando de propriedade nossas opiniões vãs, bem como sermos gentis e até condescendentes quando sabemos que o outro não tem condições de discutir em bom nível

determinado tema.


Agora, mais importante que todo o supracitado, é mantermos nossos olhos famintos por mais informação, preenchendo com a mente aberta todas nossas lacunas de conhecimento. E, fazendo assim, quiçá adquirindo proficiência para avaliarmos efetivamente quão bom somos, teremos todas as condições, resolutamente, para utilizarmos todo o nosso potencial, em todas as áreas do conhecimento, em todas as facetas da vida. Percorrendo essa estrada, talvez citemos Freud no porvir, quando o mesmo disse que “um dia, quando olhardes para trás, verás que os seus dias mais belos foram aqueles em que lutastes”.


Mateus Davi Pinto Lucio

GR Canis Majoris

194 visualizações

Grupo Rentab

UM BLOG POR

MATEUS DAVI PINTO LUCIO 

© 2018 por GRUPO RENTAB | GR Canis Majoris | Blog de Investimentos